© 2019 Site configurado por Luê Dantas Peralta

Andrea Viviana Taubman

“Quem me conhece nem desconfia que não nasci no Brasil. Nasci em 1965 em Buenos Aires (Argentina), mas vim para cá aos 7 anos de idade. Lembro-me dos meus avós, pais e tios sempre lendo livros e jornais e cresci imitando esses adultos que eu admirava muito. Troquei muitas correspondências com avós e primos, o que certamente contribuiu para que, muito tempo depois, me tornasse escritora. Sou formada em química, porque sempre fui muito curiosa e queria saber do que eram feitas as coisas. Por isso passei muitos anos escrevendo cartas comerciais e outros textos técnicos, mas nunca me afastei de minhas maiores paixões: as crianças e a leitura literária. Já morei em São Paulo e no Rio de Janeiro, mas minha literatura nasceu na cidade onde criei meus dois filhos: a bela Teresópolis, na região serrana fluminense, onde trabalhei como voluntária em um abrigo para crianças e adolescentes em risco social. Hoje escrevo em versos e prosa para estabelecer um diálogo afetivo com as crianças e os jovens, por meio de histórias que possam chegar aos corações que palpitam com a perplexidade de quem está começando a conhecer a vida. Muitos dos meus livros abordam temas sensíveis da infância e da adolescência. Quando me perguntam o que me levou a ser escritora, respondo: eu escrevo os livros que gostaria de ter lido quando criança! Sou também tradutora do espanhol, contadora de histórias, locutora, palestrante e bagunceira literária (organizo e participo de eventos literários voltados para a infância e juventude). Desde 2013 faço parte da diretoria da AEILIJ (Associação de Escritores e Ilustradores de Literatura Infantil e Juvenil), já fui vice-presidente e tesoureira. Em setembro de 2015, assumi a cadeira nº 21 da Academia Teresopolitana de Letras. Minhas # favoritas são: #todomundocabenomundo, #culturadaempatia, #alteridade e #coexistência. A literatura pode ser um ótimo caminho para fazer com que possamos compreender o que o outro pensa e a sentir como o outro sente. Eu acredito que empatia é a chave que abre as portas para um mundo melhor, em que todos podemos coexistir em harmonia, dando menos valor ao que nos separa e nos congregando pelo que nos une.”

Andrea Viviana Taubman


0 visualização